sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

GREVE DA PM NA BAHIA

A Polícia Militar da Bahia está em greve e as reivindicações parecem bastante justas. Os políticos não dão a mínima para o que interessam aos servidores da Secretaria de Segurança do Estado e a mídia, a exemplo da Rede Record, os criminalizam. Do meu ponto de vista, a greve dos militares bahianos é exemplo de como os novos homens das armas têm mostrado, a exemplo do início de greve no Pará, uma nova concepção do seu fazer e da sua relação com a sociedade.



Em que pese o direito à dignidade do trabalho dos militares e o direito à remuneração condigna, a mídia criminaliza os militares, inclusive os responsabilizando pelo aumento da violência no Estado da Bahia. As pessoas intelectualmente inocentes, a grande maioria do público da grande mídia, são induzidas a acreditarem que a PM, por não querer trabalhar, é culpada pelo estado de violência.

Mas de quem é a culpa, dos servidores militares, ou do Estado?
Quem assiste a Tv Record tem a impressão que não se trata de uma greve, mas de formação de quadrilha. As estratégias grevistas da PM, que a bem da verdade são estratégias dentro daquilo que lhes é próprio, é alardeado pela mídia, a serviço do governo do Estado, como práticas criminosas.


Escutas telefônicas, o Estado e a pressão sobre os grevistas. Para a imprensa, terrorismo. Será?

A impresna divulga muitas "informações". Mas não informa nada. Da parte do governo, foram instaladas escutas telefônicas e os líderes dos grevistas foram presos. A imprensa divulga isso, mas quase nunca cita as reivindicações dos pms.