terça-feira, 20 de março de 2012

FILHO DE EIKE BATISTA MATA NEGRO POBRE: O QUE ACONTECERÁ?

Branco, bilionário e imprudente, e daí? Ser rico basta.
Para Eike Batista o seu filho, Thor, que matou Wanderson P dos Santos, foi cidadão. Thor Batista, que se envolveu em um acidente no último sábado, na Baixada Fluminense, já tinha antecedentes de imprudência ao volante. Aos 20 anos, o jovem já acumula 40 pontos na carteira de motorista após ser multado nove vezes, segundo o site do Detran-RJ (Departamento de Trânsito do Estado do Rio de Janeiro). Ele também responde a outras duas infrações que podem lhe render mais 11 pontos caso Thor perca o recurso na Justiça. Desse modo, se somarmos as infrações, ele, na verdade, já soma 51 pontos na carteira.

É importante observar, considerando o histórico do bom cidadão, que a Secretaria de Segurança do Estado do Rio de Janeiro agrega os funcionários mais corruptos do Brasil, a polícia carioca. Então, se ele já foi multado tantas vezes, quantas vezes devemos imaginar que ele molhou a mão do guarda para que nada lhe fosse imputado?

Seria de grande valia, caso houvesse algum interesse pela verdade dos fatos, consultar, após esse episódio, o patrimônio dos agentes da PRF que atenderam o transgressor da lei após o acidente em questão.

O perfil das vítimas cujos casos não têm solução.
Quanto à adjetivação de Eike Batista, que culpado foi a vítima e que o filho é um bom cidadão, entendo muito bem isso. Ninguém culpa um motorista que atropela, por exemplo, um cão. E na sociedade capitalista (principalmente onde a democracia e equidade na aplicação das leis não existe, como é o caso do Brasil) é isso que o pobre é, um cão. Então, porque que o Thor Batista é um bom cidadão? Porque ele não fez mal a ninguém, ele apenas matou um negro pobre. E o que é isso? Para ele, e para os que o protegem, absolutamente nada, porque pobre, e ainda por cima, negro, só pode ser ninguém.

É uma vergonha! Vergonha e tristeza. Mas, é também a realidade.