sábado, 21 de abril de 2012

O PREFEITO ZÉ LEITÃO E O POVO NA RUA

SERVIDORES DA SAÚDE E DA EDUCAÇÃO
ACAMPADOS EM FRENTE  À PREFEITURA 
DE MARABÁ
O prefeito de Marabá, no sul do Pará, Maurino Magalhães, também conhecido como Zé Leitão, tem dado uma aula de como perder uma prefeitura milionária. Isso é contraditório, porque quem tem a faca e o queijo, e já fatia o queijo, geralmente tende a querer continuar saboreando a vida de rato.
Maurino, o engana povão. As aparências são coincidências para a  nossa reflexão.
A Alcunha de Zé Leitão é uma referência a um personagem popularizado na comédia do cinema brasileiro "ai que vida". Zé Leitão, do filme, e Maurino Magalhães, da vida real, fazem o típico papel do político mentiroso, enganador e que sempre que pode procura tirar vantagens do que é público, em prejuízo do povo.
Em Marabá, enquanto o prefeito mente, usando a mídia e as igrejas evangélicas, o povo marabaense padece tristemente. Por incrível que pareça, num município que tem a maior arrecadação do país, considerando cidades do seu porte, os funcionários foram às ruas no último dia 19/04 para protestar, dentre outras coisas, contra o não pagamento do vale-alimentação, atrasado mais de dois meses.
Mas o próprio vale-alimentação, que é conhecido por aqui como vale-cheiro-verde, já é uma piada. Vejam, Marabá, graças à Vale do Rio Doce e as empresas a ela associada, tem um dos maiores custos de vida do país e, mesmo sendo esse um fato reconhecido pelo próprio poder público, o Vale-Alimentação aqui é de R$ 150,00. E mesmo sendo um valor ínfimo, o Prefeito Zé Leitão prefere mentir para o povo à pagar o tal Vale.
O funcionário público municipal de Marabá, e o povo marabaense em geral, realmente podem dizer “ai que vida!!” similar à comédia de Cícero Filho. No hospital municipal falta tudo, até mesmo luva para os profissionais. Nas ruas, embora a “Leão” que, diz-se é do próprio Zé Leitão, diga que está comendo o lixo, come a carne, mas deixa os ossos apodrecendo nas ruas e Marabá está fétido das mentiras e malandragens engrenadas por Leitão e sua turma.
MEDÍOCRES POLÍTICOS PRODUZIDOS PELO POVO.
E quem poderá nos ajudar? Da parte dos políticos, é difícil dizer. Aparentemente estão, nossos vereadores, muito ocupados negociando cargos, linhas de ônibus escolar e outras “coizitas” com o prefeito. A Prefeitura e a Câmara de Marabá não são espaços de reivindicação do povo, mas espaço de expressão da vontade do prefeito.
O estranho, no entanto, é que, no caso de Marabá, que como já se disse tem a maior arrecadação do país, considerando municípios do seu porte, imaginar-se-ia a continuidade do desejo pelo queijo. Mas a julgar pelas práticas do prefeito ele já se sente de botija cheia. Se o contrário, como explicar, por exemplo, a nomeação para secretário, de fato, quem, mesmo sendo extremamente impopular, já mandava na Secretaria de Educação, o pequeno polegar? Não, isso não tem explicação!  
Hoje, quando se fala de atendimento ou acesso ao bem público municipal, pode-se dizer que falta tudo em Marabá. Nas escolas falta merenda de qualidade aos alunos, ventilação nas salas de aula; no hospital e postos de saúde faltam médicos, remédios, materiais, etc.. Por outro lado, sobram nomeações de parentes do prefeito em cargos que deveria ser ocupado por concursados; sobra nomeações na saúde, abarrotada de pessoas que se esbarram sem nada fazerem; sobra lixo, sobram ratos, sangue e urubus nas ruas de Marabá.