quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

ENFIM O DIVÓRCIO: SINTEPP MARABÁ E GOVERNO MUNICIPAL EM ROTA DE COLISÃO

Ocupação da CMM por profissionais da educação
Se não for possível dizer que o apoio do SINTEPP à candidatura vitoriosa de João Salame foi imprescindível, não se poderá negar que a eleição do professor Pedro Souza, hoje líder do governo na Câmara, não teria ocorrido sem esse apoio. E tudo começou muito bonito para a cidade, em especial para os professores. O fim de uma gestão atrapalhada e achincalhada e o início de outra, com a promessa de fomentação da participação efetiva no governo, bem como de promoção da gestão democrática nas escolas parecia um marco. Patrão e trabalhador estavam na mesma mesa. Mas, agora, deduz-se que alguém deixou a mesa antes do banquete.

O SINTEPP ocupou a câmara municipal nesse início de semana para protestar contra o governo. Antes disso o sindicato já declarava, em seu blog, que o grande desafio à frente era a luta pela manutenção de direitos conquistados na gestão anterior, do famigerado Maurino Magalhães, o mau-mau.

João Salame e o velho problema municipal, folha extensa.
A direção sindical denuncia que o governo escolheu o encerramento de ano, momento em que as escolas estão entrando em recesso e por isso a mobilização é mais difícil, o famigerado PL 490, DE 29/10/13, no qual o prefeito pretende a redução dos adicionais dos níveis de especialista, de 25% para 15%, mestre de 100% para 30% e doutor de 150% para 60%, respectivamente. Além disso, a reboque, viram as reduções para as gratificações de diretor e vice-diretor de escola que passarão a ser de 35% para escolas de grande porte, 30% para as de médio porte, sendo 25% para as de pequeno porte e 20% para as de micro porte. Justamente agora que se faz o processo eleitoral para escolha de diretor e vice em toda a Rede Municipal.

O fato é que em todo o país o problema é o mesmo, inchaço da folha de pagamento para além das possibilidades dos cofres da municipalidade. As secretarias de educação, em todo esse vasto Brasil, são depósitos de incompetência, ou seja, mandam para lá os apadrinhados políticos, que precisam do favor público porque não sabem “trabalhar” de outro modo.

Acho que é esse o maior desafio que os prefeitos têm. Quanto ao SINTEPP e a prefeitura, ajudei a eleger o Salame e o líder do governo na Câmara, professor Pedro Souza, o SINTEPP cumpre seu dever exatamente por que, independente de quem tenham ajudado a eleger-se, Sindicato não pode ser outra coisa senão oposição.