sexta-feira, 26 de maio de 2017

OS ASSASSINOS ESTÃO SOLTOS E OS SOBREVIVENTES CORREM RISCO DE MORTE: A CHACINA DE PAU D'ARCO

O medo agora é pela vida dos que sobreviveram.
É muito grave a situação dos sobreviventes da Chacina da Fazenda Santa Lúcia. Já é de conhecimento público que a Polícia do Estado do Pará removeu os corpos, o que impediu a perícia no local da chacina e, por isso, comprometeu seriamente o processo de apuração dos eventos ocorridos na Fazenda do Sul do Pará. Mas, existem sobreviventes. E isso leva a uma outra questão, diante de uma polícia assassina, que não quer pagar por seus crimes, estão seguros os sobreviventes, que contradizem a versão do confronto? Não estão. 

O que o Estado do Pará está fazendo para proteger os sobreviventes, considerando que os policiais estão soltos, nada. E isso é muito grave.

A perícia realizada em Marabá indicou que, pelo menos três dos corpos periciados naquele instituto foram alvejados nas costas e na cabeça, o que contraria a versão de confronto. Algumas testemunhas relatam que os trabalhadores foram cercados pela polícia e, juntando essas informações aos disparos vai se desenhando um quadro em que, de um lado um grupo chega fortemente armado com intenção de matar, e do outro, pode ter havido uma tentativa de fuga ao cerco.

A sociedade precisa saber e se mobilizar para cobrar providências.

Enquanto tudo isso acontece o cadáver insepulto coloca o exército para sitiar Brasília sob o argumento de proteger vidraças. Não é desse governo que podemos esperar alguma coisa. Não é de nenhum governo. Precisamos, enquanto sociedade, pacífica e corajosamente, fazer o enfrentamento e negar esses assassinos.



A maior vingança é a resistência.