quinta-feira, 5 de abril de 2012

COMO SE PREPARAR PARA O ENEM

A primeira coisa que as pessoas precisam saber sobre o ENEM é que ele é o cartão de acesso a quase todos os programas do governo no que diz respeito às políticas de auxílio a estudantes. Isso significa que o estudante precisa ter uma nota do Enem para poder se inscrever, por exemplo, no SISU, ou ainda concorrer a uma bolsa paga pelo governo em Faculdades Particulares.
Quem pretende fazer o ENEM, e se dá bem, precisa iniciar sua preparação desde cedo. Essa preparação deve considerar a natureza da prova do ENEM, que explora o conhecimento por área de competência. Assim, não haverá um questionário de história, mas questões de humanas, que envolve história e outras disciplinas da área. Prevalece na elaboração do ENEM uma forma interdisciplinar de pensar o conhecimento, o que sabemos muito bem, não acontece nas escolas.

Antes mesmo da realização das provas, muitos estudantes se perguntam e procuram saber qual a pontuação necessária para ser aprovado no exame e também como passar no Enem 2012. 
Primeiramente devemos entender a estrutura do exame: são 180 questões de múltipla escolha, contendo cinco alternativas com apenas uma correta. No sábado são aplicadas as provas de Ciências Humanas e Ciências da Natureza, cada uma com 45 questões. No segundo dia (domingo) são aplicadas as provas de Linguagens e Códigos e Matemática, também 45 questões para cada área, mais a redação. No resultado final o candidato recebe sua nota individual em cada área de conhecimento e na redação. As notas podem ir de 0 a 1000.
Não é tarefa simples calcular a nota do Enem. Isso por que ela não se dá proporcionalmente pelo número de questões corretas. A nota do Enem é calculada com base na TRI – Teoria da Resposta ao Item, calculada através de desvio padrão, que é uma medida de dispersão dos valores de uma distribuição normal em relação à sua média. Em uma linguagem mais simplificada, a nota do Enem é a representação de como está seu nível de conhecimento em relação à média dos demais estudantes do Ensino Médio no Brasil.
O candidato precisa reservar tempo para os estudos. O tempo, contudo, está muito ligado ao tipo de curso que o candidato pretende freqüentar. Se um curso muito concorrido, obviamente, sua dedicação deverá ser maior, considerando o desafio que tem pela frente. Como professor, acredito que se o candidato ainda é estudante do ensino médio, precisa reservar, no mínimo, 4 horas para a sua preparação; se não, esse tempo pode ser ampliado para 6 horas de estudo. 
Os milhares de estudantes pobres precisam ter consciência que muitos “filhinhos de papai” não precisam trabalhar, e por isso podem dedicarem o tempo que quiserem aos estudos. Por isso, se você é pobre e quer sair da merda, se inscreva, arrume tempo e estude.